Uma de nossas maiores metas é mudar a educação, aproximá-la da realidade, transformando a escola num espaço de troca, aprendizado e experiência, ao invés de mera passagem de conhecimentos.

Vivemos num mundo ultra conectado, a informação está, literalmente, em nossas mãos. Os smartphones nos permitem viajar a Roma ou presenciar os bombardeios na Síria com alguns toques. A inovação da educação na Finlândia é de conhecimento de todos, o aumento das ecovilas, as hortas urbanas e a crescente fuga para o campo é evidente.

Não precisamos mais de professores para nos passar conteúdos, precisamos de mediadores para incentivar nossa fome de saber. Não quero desmerecer os professores, eu mesma sou licenciada e AMO dar aulas, mas, a necessidade de uma pessoa para ditar conhecimentos de livro não existe mais. Os alunos precisam conectar os saberes da escola com os da rua, do mundo, pesquisar, correr atrás das informações, brincar, trocar ideias, ensinar enquanto aprende, QUESTIONAR! O vídeo abaixo é um bom ponto de partida se você quer conhecer mais sobre educação libertária, inovadora e criativa!

Finalmente, o MEC começa a reconhecer a importância das escolas que já estão fazendo isso, lançando o Mapa da Inovação e Criatividade na Escola, reconhecendo 178 organizações que trazem esse novo perfil. Abaixo, o perfil traçado pela pesquisa. Para saber os critérios de escolha, clique aqui.

A maioria dos inscritos foram escolas, tendência que se repetiu entre as selecionadas: 74,3% são escolas e as demais 25,7% são organizações educativas que atuam na formação de crianças, adolescentes e jovens, algumas com foco específico em cultura, comunicação, tecnologias digitais ou educação ambiental. Entre elas, 52,8% são públicas e 47,2% são particulares.

  • Quer saber se existe alguma na sua cidade? Veja no mapa!
  • Dica de Leitura: Paulo Freire – Pedagogia da Autonomia